Uma Visão Ontológica de Aspectos Comportamentais e Estruturais da Medição

Nome: Lucas Augusto Santos
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 16/04/2021
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Monalessa Perini Barcellos Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
João Paulo Andrade Almeida Examinador Interno
Maria Luiza Machado Campos Examinador Externo
Monalessa Perini Barcellos Orientador

Resumo: Medição é um processo chave em diversos domínios. Ele é capaz de atribuir valores a propriedades de entidades, quantificando-as e, assim, apoiando a geração de conclusões e tomada de decisões. É, talvez, um dos conceitos mais fundamentais presentes na ciência. Sem a capacidade de medir, seria impossível para cientistas conduzirem seus experimentos ou formarem suas teorias. Embora medição tenha particularidades em cada domínio de aplicação, parte do conhecimento ultrapassa as barreiras dos domínios e é comum a vários deles. Entretanto, não existe uma definição única e completa acerca do processo de medição, nem tampouco dos conceitos envolvidos nesse processo. Quando não existe conceituação comum, é frequente haver divergência entre normas, padrões e outros modelos de processo que abordam medição. Considerando esse cenário, este trabalho propõe uma ontologia de tarefa, buscando uma definição comum e compartilhada acerca de medição, tratando tanto seus aspectos comportamentais (e.g., fluxos entre as atividades), quanto estruturais (e.g., objetos manipulados pelas atividades). A Ontologia de Tarefa de Medição (OTM) aqui proposta estende a versão anterior de OTM, tornando-a ser capaz de cobrir novas atividades, conceitos e tratar de forma mais adequada a dinâmica do processo. OTM é composta pori um modelo comportamental e um modelo estrutural, o qual representa por si só uma ontologia de núcleo de medição e é chamada Core Ontology on Measurement (COM). COM também foi estendida neste trabalho visando à cobertura dos conceitos e atividades que foram inseridos em OTM. Buscando alcançar clareza conceitual e fidelidade à realidade, as ontologias foram definidas tendo como base a Unified Foundational Ontology (UFO). Considerando-se que ontologias de núcleo têm alto potencial de reúso, para facilitar o reúso da conceituação provida por COM em diferentes domínios de aplicação, COM foi organizada em uma linguagem de padrões ontológicos chamada Measurement Ontology Pattern Language (M-OPL), que guia o engenheiro de ontologias na aplicação dos padrões necessários para modelar o domínio de interesse. Para apoiar o uso de M-OPL, foi desenvolvida a ferramenta computacional M-OPL Tool, a qual foi usada em um estudo para avaliar o uso de M-OPL no desenvolvimento de ontologias para domínios específicos.
Palavras-chave: Medição, Ontologia, Ontologia de Medição, Ontologia de Tarefa, Linguagem de Padrões Ontológicos

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910